sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Visões Cármicas

Sogyal Rinpoche em Swayambhunath, Nepal

"O modo como percebemos o mundo depende inteiramente da nossa visão cármica. Os mestres usam um exemplo tradicional: seis diferentes tipos de seres se encontram na margem de um rio. O ser humano do grupo vê o rio como água, uma substância para lavar o corpo ou saciar a sede; para um animal como o peixe, o rio é seu lar; um deus o vê como néctar que lhe traz a bênção; para o semideus é uma arma; para o fantasma faminto, pus e sangue pútrido, e o ser dos infernos vê ali lava derretida. A água é a mesma, mas ela é percebida de maneiras diferentes e até contraditórias."
                                                      
                                               Sogyal Rinpoche em "O livro tibetano do viver e do morrer"

Nenhum comentário: