terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Amrita Dharma Shop


Nasceu uma nova loja com itens budistas no Brasil.

A loja Amrita Dharma Shop possui em seu catálogo itens para a prática, livros, incensos, 
bandeiras de oração, DVDs/CDs, estátuas, objetos de decoração e muito mais.

Clique em AMRITA DHARMA SHOP, e confira.

sábado, 19 de janeiro de 2013

Diretrizes de mídia social para os assim chamados alunos do Vajrayana


Dzongsar Khyentse Rinpoche, no Centro Rigpa em Berlin.


DIRETRIZES DE MÍDIA SOCIAL PARA OS ASSIM CHAMADOS ALUNOS DO VAJRAYANA

    Se você acha ou acredita que é um aluno do Vajrayana - quer isso seja verdadeiro ou não é uma outra questão - mas enquanto você pensar que é um praticante do Vajrayana, se torna sua responsabilidade proteger essa tradição profunda.

É importante manter o sigilo no Vajrayana. O Vajrayana é chamado "o yana do mantra secreto" porque tem por intenção ser praticado em segredo. Não é secreto porque haja algo a ser escondido, mas para proteger o praticante das armadilhas e quedas que o ego pode trazer à prática. Em particular, praticantes tendem a cair presas do "materialismo espiritual", em que sua prática se torna apenas outra afirmação da moda com a intenção de adornar seus egos e fazê-los se sentirem importantes, ou fazer com que eles se sintam parte de uma tribo social 'legal', ao invés de domar e transformar suas mentes. Quando praticado assim, o caminho Vajrayana se torna pior do que inútil.

    Além disso, os ensinamentos Vajrayana são 'ocultos' no sentido em que seu significado não é aparente a alguém que não tenha recebido os ensinamentos apropriados. É como uma língua estrangeira. Porque algumas das imagens e simbolismo podem ser vistos como estranhas ou até mesmo violentas ao não-iniciado, é geralmente recomendado se manter escondido para que não desencoraje novos praticantes, que podem desenvolver visões errôneas sobre o caminho Budista em geral e o caminho Vajrayana em particular.

    Quando postar em mídias sociais, por favor tenham em mente que você não está apenas postando para a sua própria leitura de prazer, mas para todo o vasto mundo que mais provavelmente não compartilha seu divertimento com fotos malucas, nem sua peculiar adoração e fantasias de certas personalidades que você chama de guru.

    Assim sendo, aqui seguem algumas sugestões que ofereço aos amigos assim-chamados alunos do Vajrayana de como você pode proteger a si mesmo- tanto por evitando constrangimento e protegendo sua prática do Dharma- e também proteger a profunda tradição Vajrayana.

(1) Mantenha o sigilo do Vajrayana (isso inclui sigilo sobre seu guru, sua prática, imagens tântricas, iniciações que tenha recebido, ensinamentos que tenha presenciado, etc...)

- Não poste imagens tântricas: se você acha que postando imagens tântricas provocativas (tais como deidades com braços múltiplos, cabeças de animais, aqueles em união e deidades iradas) te faz importante, você provavelmente não entende o seu significado

- Não poste mantras e sílabas semente: se você acha que mantras e sílabas semente devem ser postadas no Facebook para melhorar o humor e um apoio de auto-ajuda, uma mudança no seu visual ou um corte de cabelo podem vir a dar um melhor resultado.

- Não fale sobre suas iniciações: se você acha que imagens de seu fim de semana de iniciação Vajrayana valem ser postadas junto as fotos do seu gato no Facebook, você deveria mandar seu gato para o Nepal para ser entronado. A não ser que você tenha obtido permissão de um mestre, não poste nenhuma foto, vídeo ou gravação de áudio de iniciações do Vajrayana, ensinamentos ou mantras.

- Não fale sobre ensinamentos secretos/profundos que tenha recebido: algumas pessoas acham moderno pendurarem palavras como "Dzogchen" e "Mahamudra" em suas bocas. Se você recebeu ensinamentos profundos, é bom seguir tais instruções e mantê-los para si mesmo.

(2) Evite cair em tentações do materialismo espiritual e usar o Darma à serviço do ego (não tente alardear seu guru, sua compreensão, sua prática, etc. Da mesma maneira, não fale mal de outros praticantes e caminhos).

- Não compartilhe suas experiências e pseudo realizações: se você acredita que declarar o que você acha que alcançou é válido, você tem andado ocupado reforçando sua delusão. Tentar impressionar os outros com sua prática não é parte da prática. Tente ser genuíno e humilde. Ninguém se importa com suas experiências em meditação, mesmo que inclua visões de budas, unicórnios ou arco-íris. Se você acha que está livre de auto-engano, vá em frente, pense de novo.

- Não vanglorie seu guru: não importa o quão grandioso você acredite que seu guru seja, provavelmente servirá melhor se manter sua devoção para si mesmo. Lembre-se que ser budista não é se juntar a um culto. Se você acha que seu guru é melhor que o dos outros, você provavelmente acha que sua equanimidade e percepção pura é melhor do que dos outros.

- Não tente compartilhar sua pseudo sabedoria: se você acha que receber ensinamentos profundos lhe dá licença a proclamá-los,  provavelmente irá apenas exibir sua ignorância. Antes de "compartilhar" uma citação do Buda ou de qualquer um de seus mestres, pense por um momento se eles realmente disseram tais palavras e a qual audiência elas eram direcionadas.

- Não confunda Budismo com idéias não-Budistas: não importa o quão inspirado você possa estar por arco-íris e círculos de luz e o quão convencido esteja sobre o fim do mundo, tente não misturar suas próprias fantasias/idiossincrasias com o Budismo.

-Seja respeitoso com os outros: sem o Theravada e o Mahayana como fundações, não haveria o Vajrayana. Seria completamente tolo os praticantes Vajrayana desprezarem ou demonstrarem desdém para com o Theravada e o Mahayana. Se você acha que atacar outros budistas vai melhorar o Budismo, preste um serviço ao Budismo e ao invés, ponha em mira seu próprio ego e preconceitos.

- Não crie desarmonia: tente ser aquele que traz harmonia na comunidade da sanga com seu bate-papo online, ao invés de problemas e disputas.

- Seja sempre vigilante com sua motivação: por favor não tente exibir comportamentos de "louca sabedoria" na rede, apenas inspire os outros a terem um bom coração. Se você acha que está postando algo por compaixão, tente primeiro ter certeza de que não está causando mal. Toda vez que não conseguir abrir mão da coceira de postar algo, tenha certeza que isso ajuda quem quer que o leia e o Darma.


Este texto foi postado no facebook de Dzongsar Jamyang Khyentse, no dia 17 de janeiro de 2013.

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Sugestão para as "resoluções de Ano Novo"


Dzongsar Khyentse Rinpoche, apreciando a bela cordilheira do Himalaia, 
durante as iniciações de Pema Lingpa em Spiti, Himachal Pradesh, India.

    Agora nós descobrimos que ainda estamos vivos após o fim do mundo em 21 dezembro de 2012, o Ano Novo é logo ao dobrar a esquina. Então, gostaria de oferecer uma sugestão para suas “resoluções de ano novo”. Por quê não parar de desperdiçar pensamentos, tempo e energia? No mínimo, você poderia tentar não desperdiçar no nível material, como poupar energia apagando as luzes. Ou, não desperdiçar alimento. Os americanos em particular, desperdiçam muita comida, o que é ao mesmo tempo insano e completamente imoral. Se formos comparar, o caso da Monica Lewinsky nem chega perto de tamanha imoralidade. Os americanos desperdiçam comida, roupa, gasolina, não é só 100% imoral, isso também acarreta consequências globais imediatas para o conjunto da população do mundo e do meio ambiente.

    “Não desperdiçar” é a chave para a fortuna e para o sucesso. Os chineses começaram a aprender com os americanos a arte do desperdício notável, pensando ser marca de muita riqueza e abundância. Mas, quando alguém faz cocô nas calças, não é bem o que devemos imitar.  Nesse ponto, preciso me lembrar, e você também, que recorro à America como um exemplo, mas o hábito imoral do desperdício é agora um fenômeno global, não mais limitado à América e aos americanos.

    Ouvi dizer que a rainha da Inglaterra aproveita o verso dos envelopes usados para fazer listas e anotações, um hábito que adquiriu durante a segunda Guerra Mundial e que ela continua a praticar até hoje. Devemos todos fazer coisas assim. Olhe a sua volta, quanta coisa você tem no seu quarto? O quanto disso você realmente precisa e o quanto é entulho? Claro, não estou sugerindo rigorosas práticas ascéticas, estou apenas mostrando uma forma inteligente de possibilitar uma vida mais fluente para cada um de nós. Certamente, o desperdício não é o caminho para desfrutar de sua fortuna.

    Penso também que estou assombrado por algo que minha mãe sempre me dizia, quando eu era jovem e não termina meus pratos. Ela dizia que se não comesse até ao última garfada, Dzambhala, o deus da riqueza ficaria irritado e me castigaria pelo desperdício de comida fazendo-me um dia morrer de fome. Conselhos antigos, atualmente fora de moda, e que contem muita sabedoria.

    Todos os dias você deixa as luzes acesas sem necessidade. Você realmente precisa deixar correndo a água do chuveiro enquanto ensaboa o cabelo?

    No momento o mundo se vê diante da agonia de lidar com o alto preço da gasolina, e as consequências disso, por exemplo, elevam o preço das passagens de avião e ônibus e encarecem os produtos essenciais, principalmente alimentos, então, muito mais caras. Mas a água é mais preciosa ainda que a gasolina e se o que acontece agora com a gasolina acontecer com a água, nosso sofrimento se elevará para altos níveis da agonia. Portanto, a raiz do problema é causado por coisas simples e que podemos mudar, mas não mudamos.

    Nós também desperdiçamos muito quando somos vitimados por produtos desenvolvidos para serem desperdiçados e substituídos seguidamente. O único objetivo por trás do marketing de tais produtos é ganhar obscenas quantias de dinheiro, então, as empresas que vendem estes produtos nos conduzem a criar hábitos de mais e mais desperdício, assim eles podem nos vender mais e mais coisas inúteis.

    De qualquer forma, isto é apenas meu blá blá blá de Ano Novo...


Mensagem postada no facebook de Dzongsar Jamyang Khyentse, em 28 de dezembro de 2012.

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Começando na dificuldade


 Dilgo Khyentse Rinpoche

"O Dharma, que é infalível, começa na dificuldade, mas culmina no êxtase. Caminha na direção oposta à das coisas deste mundo, que começam na alegria e na facilidade, mas terminam no desgosto e na desilusão."

                                                       Dilgo Khyentse Rinpoche

domingo, 6 de janeiro de 2013

Feliz Ano Novo, que 2013 traga muita Paz para todos!



"...agora você tem as liberdades e vantagens da existência humana, encontrou um professor autêntico e recebeu as instruções profundas. Agora você tem a oportunidade de atingir o estado búdico colocando em prática os nove veículos dos ensinamentos. É agora que você pode estabelecer uma estratégia para todas as vidas futuras ou abandonar-se à própria sorte. É agora que você pode voltar a mente em direção ao bem, ou é agora que pode abandoná-la ao mal. Neste exato momento você está em uma encruzilhada onde tem que escolher entre a direção certa e a errada para o resto da vida. Esta oportunidade é como encontrar algo para comer quando você somente pôde comer uma refeição em cada cem durante toda a sua vida. Portanto, use o Darma para liberar-se enquanto ainda pode e tenha a morte como estímulo constante."
                                                                                     
                                                                                               Patrul Rinpoche
                                                                              em "As Palavras do Meu Professor Perfeito"


"Em resumo: na prática espiritual, tudo se articula a partir da atitude básica, seja ela positiva ou negativa. Se a atitude for nobre, o caminho será um caminho nobre, e atingiremos níveis nobres de realização. Se a atitude for negativa, o caminho será um caminho negativo, e atingiremos apenas o que for negativo. O caminho e os níveis do nosso desenvolvimento são totalmente dependentes da nossa atitude enquanto prosseguimos nele."

                                                                                             Jigme Tromge Rinpoche
                                                                                        em "Mudança de Perspectiva"