quarta-feira, 29 de maio de 2013

Guru Rinpoche auto-surgido


Foto da imagem auto-surgida de Guru Rinpoche no Vale Spiti.

Saiba mais e veja o video na postagem de 2012 Guru Rinpoche auto-surgido.

Guru Rinpoche


Khyentse Rinpoche ao vivo

Dzongsar Khyentse Rinpoche, em Halifax 2008. (foto: Marvin Moore)

Nos dias 31 de maio e 01 de junho de 2013, Dzongsar Khyentse Rinpoche estará dando ensinamentos em Halifax, Nova Scotia. O tema dos ensinamentos é o Prefácio de Chögyam Trungpa Rinpoche para A Chuva de Sabedoria. Rinpoche permitiu que este ensinamento seja transmitido pela web via de vídeo-streaming. 

O endereço para acessar o streaming é:

http://www.siddharthasintent.org/rain-of-wisdom-live-stream.html   

Horários:
Sexta-feira 31 maio às 7:30 pm (Atlantic Standard Time)

Sábado, 1 de junho às 9:00am e 2:00pm



quinta-feira, 23 de maio de 2013

Cremação de Sua Santidade Penor Rinpoche

Sua Santidade Penor Rinpoche
 
As cerimonias de cremação de Sua Santidade Penor Rinpoche estão sendo transmitidas pelo site Palyul Ling International

Em 22/05/2013 o Chefe da Escola Nyingmapa, Sua Santidade Taklung Tsetrul Rinpoche visitou o Monastério Namdoling.
 
 23/05/2013
 23/05/2013
 23/05/2013

terça-feira, 21 de maio de 2013

Dharma Stock - Edição Especial



O  Dharma Stock é um show de rock que tem por objetivo levantar fundos para a construção do Chagdud Gonpa Dordje Ling, um templo tradicional do Budismo Tibetano, em Curitiba-PR.
Comparecendo ao evento, você contribui para a realização desse grande e auspicioso projeto, além de se divertir - é claro! "Que todos sejam felizes!"

Para maiores informações, acesse:


quarta-feira, 8 de maio de 2013

A vida é como um piquenique

 Chagdud Tulku Rinpoche

A vida é como um piquenique em uma tarde de domingo... ela não dura muito tempo.  Só olhar o sol, sentir o perfume das flores ou respirar o ar puro já é uma alegria. Mas se tudo o que fazemos é ficar discutindo onde pôr a toalha, quem vai sentar em que canto, quem vai ficar com o peito ou a coxa do frango..., que desperdício! Mais cedo ou mais tarde o tempo fecha, a tarde cai e o piquenique acaba. E tudo o que fizemos foi ficar discutindo e implicando uns com os outros. Pense em tudo que se perdeu.

    Você pode estar se perguntando: se tudo é impermanente, se nada dura, como pode alguém viver feliz? É verdade que não podemos, de fato, agarrar ou nos segurar às coisas, mas podemos usar esse conhecimento para olhar a vida de modo diferente, como uma oportunidade muito breve e rara. Se trouxermos à nossa vida a maturidade de saber que tudo é impermanente, vamos ver que nossas experiências serão mais ricas, nossos relacionamentos mais sinceros, e teremos maior apreciação por tudo aquilo que já desfrutamos.

    Também seremos mais pacientes. Vamos compreender que, por pior que as coisas possam parecer no momento, as circunstâncias infelizes não podem durar. Teremos a sensação de que seremos capazes de suportá-las até que passem. E com maior paciência seremos mais delicados com as pessoas a nossa volta. Não é tão difícil manifestar um gesto amoroso quando nos damos conta de que talvez nunca mais estaremos com a nossa tia-avó. Por que não deixá-la feliz? Por que não dispor de tempo para ouvir todas aquelas histórias antigas?

    Chegar à compreensão da impermanência e ao desejo autêntico de fazer os outros felizes nesta breve oportunidade que temos juntos, constitui o começo da verdadeira prática espiritual. É esse tipo de sinceridade que efetivamente catalisa a transformação em nossa mente e em nosso ser.Não precisamos raspar a cabeça nem usar vestes especiais. Não precisamos sair de casa nem dormir em uma cama de pedras. A prática espiritual não requer condições austeras.... apenas um bom coração e a maturidade de compreender a impermanência. Isso nos fará progredir. 

                                                                                              Chagdud Tulku Rinpoche
                                                                                           em Portões da Prática Budista

quinta-feira, 2 de maio de 2013

Mente que deseja

Nyoshul Khenpo Rinpoche

A sensualidade não está nos objetos, está na mente que deseja, no próprio desejo. O desejo preenche os objetos com a qualidade de serem desejáveis, com sensualidade e valor. De outro modo, o que é desejável de modo absoluto? Tudo depende da mente, do próprio condicionamento da pessoa; o que uma pessoa deseja e aspira, a outra pode repudiar e evitar a todo custo. Não é óbvio isso? 

                                                                                         Nyoshul Khen Rinpoche
                                                                                      em "Natural Great Perfection"